Muitas pessoas se sentem satisfeitas tão somente por estarem ocupadas. Buscam o perfeccionismo, fazem de tudo para acertar nos pequenos detalhes, tais como: não deixar nada fora do lugar, atentam-se para o volume do trabalho e não para a qualidade. Executar ações pode ou não acrescentar ao seu objetivo. O que importa no final é o resultado. O que você alcançou com tal atitude?

O momento inicial da empreendedora, seja na transição do emprego convencional para o empreendedorismo, ou até na total dedicação ao ponto de partida para montar o seu negócio, exige a habilidade de priorizar e focar ações realmente pertinentes para o crescimento e posicionamento da marca.

Apenas dizer: “trabalhei arduamente hoje” não garante que tenha criado algo. Estar ocupada hoje em dia, em meio a tantas distrações, pode ser uma forma enganosa para o cérebro interpretar grandes avanços em seus projetos.

O que fazer então?

Perguntas podem impedir a ação mecânica do cérebro em agir repetitivamente com pouca produção. As respostas podem dar um novo rumo na sua agenda, que, consequentemente, vai reorganizar a sua lista de afazeres.

“É muito melhor uma resposta aproximada para a pergunta certa, do que uma resposta exata para a pergunta errada! (John Tukey)”

Primeiro: “Esta ação vai alcançar o avanço em meu projeto?”

É comum a empreendedora trabalhar em casa, algumas em seu home Office e se tem filhos, conciliar as rotinas domésticas com a rotina do seu empreendimento. No entanto, para que se mantenha concentrado e com foco comportamental produtivo, o cérebro precisa desempenhar com precisão uma ação.

Exemplo: É fato que você precisa lavar a louça e levar os cachorros para passear, mas essas coisas não devem ser feitas durante o seu principal período de produção, ainda que em casa. Determine a sua corrente de hábitos para o trabalho.

Segundo: “Existem atividades em minha lista que eu possa delegar ou contratar pessoas para fazê-las?”

Sua remuneração depende da sua entrega. Como empreendedora, você é dona do seu nariz e agora precisa entender que o seu tempo vale dinheiro. Faça as contas de quanto deixa de produzir ao parar para ir ao supermercado, correios, banco… Mensure o quanto poderia aumentar os seus ganhos se dedicasse sua agenda com prioridade em atividades eficientes.

Agendar e visitar (ou receber) clientes, fazer um pós-venda, enviar um e-mail marketing bem elaborado pode ser muito mais produtivo do que se render à rotina paralela, que não contribui para o desenvolvimento da sua empresa.

Acostume-se a se perguntar todas as vezes que for fazer algo: “Essa é a maneira mais eficaz de usar o meu tempo?”

Para finalizar, deixo a diferença entre eficiência e eficácia:

A eficiência seria o ato de “fazer certo as coisas”, enquanto que a eficácia consiste em “fazer as coisas certas”.

A eficiência seria a classificação do comportamento de alguém que agiu com perfeição na realização de um determinado trabalho.

A eficácia é saber o que fazer. Um trabalho feito com eficiência, mas sem eficácia para a conclusão de determinado plano, passa a ser inútil, pois não agregará nada de substancial, por mais bem feito que tenha sido executado.

Um exemplo clássico, nos cursos gerenciais, é o da empregada que se de para com uma sala alagada. Corre, pega panos e baldes e busca enxugar. Foi eficiente, mas não eficaz. Eficaz foi a outra, que fechou a torneira que causara o alagamento, ou seja, que fez a coisa certa.

Como você tem usado o seu tempo para produzir resultados?

Comente, participe!